Translate this Page
ONLINE
1


Partilhe esta Página


A Lenda do Hermafrodito
A Lenda do Hermafrodito

A LENDA DE HERMAFRODITO

Do romance de Hermes e Afrodite nasce uma criança chamada Hermafrodito, por se tratar do fruto de uma traição, ele foi deixado na floresta sendo criado pelas ninfas que lá viviam. Cresce e só torna um rapaz de exuberante beleza, passa então a viajar pelo mundo. Numa de suas viagens, Hermafrodito sentado a beira de um rio é avistado por uma ninfa que dominava aquele rio, Salmácis que se apaixona por ele e tenta de todas as formas seduzir o jovem rapaz. Desesperada por não conseguir o amor do jovem, Salmácis  fica a espreita o observando quando o jovem entra nas aguas do rio nu para tomar banho, ela então aproveita que o rapaz está dentro de suas águas  se despe, entra junto com ele abraça-o e ordena as aguas que uma seus corpos de modo que jamais se separassem. Ás aguas então obedecem as ordens da ninfa agitando-se e em torno de ambos. Mesmo com todo esforço para se desvencilhar, Hermafrodito é atraído pelas forças e se adere cada vez mais ao corpo de Salmácis, foi então que o jovem pode compreender o amor que a ninfa sentia por ele e ele deixou que se fundissem se tornando em um único ser. Hermafrodito e Salmácis se tornam uno, homem e mulher, uma única natureza, perfeito e completo. Ali ordenou que todos que se banhassem naquele rio se tornariam macho e femea em um só corpo.

Esse mito vai além da identificação de corpos, mas está relacionado ao fato dermos completos, o masculino e feminino, simboliza a integração dos opostos dentro da personalidade. Desde que nascemos esse potencial faz parte de nós, da intuição, expressão, mente, sentimento, relacionamento, solidão, do conflito e da harmonia, espirito e matéria. Opostos presentes em nós e que moldam nossa personalidade. É a condição dúbia da humanidade que não admitimos. Tornar compatível o consciente e inconsciente, descobrindo os opostos acabamos completando algo e nos reconfortando, vamos sempre mudando seguindo em direção a totalidade, mas sem atingi-la, a não ser de maneiras sutil e as vezes ate imperceptível!